quarta-feira, 31 de agosto de 2011

Arqueologia proibida - Os gigantes da bíblia - Nefilins



Resposta: Os Nefilins (gigantes) eram os filhos do relacionamento sexual entre os filhos de Deus e as filhas dos homens am Gênesis 6:1-4. Há muito debate quanto à identidade dos “filhos de Deus”. Alegamos que os “filhos de Deus” eram anjos caídos (demônios), os quais se relacionaram com fêmeas humanas e/ ou habitaram os corpos de machos humanos para então se relacionar com as fêmeas humanas. Essa união deu origem a filhos, os Nefilins, os quais eram “os valentes que houve na antiguidade, os homens de fama” (Gênesis 6:4). 
Por que os demônios fariam tal coisa? A Bíblia não nos dá uma resposta específica. Os demônios são perversos, seres imperfeitos – por isso nada que façam deve nos surpreender. Quanto à uma motivação distinta, a melhor especulação é que os demônios estavam tentando poluir a linha sanguínea humana para prevenir que o Messias viesse (Gênesis 3:15), O qual iria ferir a cabeça da serpente – Satanás. Então, os demônios estavam provavelmente tentando atrapalhar que isso acontecesse por poluir a linha sanguínea humana, tornando impossível que um Messias sem pecado nascesse. Novamente, essa não é uma resposta bíblica específica, mas é plausível e não contradiz nada do que a Bíblia ensina.
 O que eram os Nefilins? De acordo com as lendas hebraicas (O livro de Enoque e outros livros não bíblicos), eles eram uma raça de gigantes e super-heróis que fizeram atos de maldade. Seu grande tamanho e poder provavelmente vieram de uma mistura de "DNA" demôniaco e genética humana. Tudo o que a Bíblia diz diretamente sobre eles é que eles eram “os valentes que houve na antiguidade, os homens de fama” (Gênesis 6:4). Os Nefilins não eram alienígenas, mas sim seres físicos e reais, produzidos da união entre os filhos de Deus e as filhas do homem (Gênesis 6:1-4).
 O que aconteceu com os Nefilins? Os gigantes foram uma das razões principais para o grande Dilúvio da época de Noé. Logo depois que os gigantes são mencionados, a Palavra de Deus nos diz: “E viu o SENHOR que a maldade do homem se multiplicara sobre a terra e que toda a imaginação dos pensamentos de seu coração era só má continuamente. Então arrependeu-se o SENHOR de haver feito o homem sobre a terra e pesou-lhe em seu coração. E disse o SENHOR: Destruirei o homem que criei de sobre a face da terra, desde o homem até ao animal, até ao réptil, e até à ave dos céus; porque me arrependo de os haver feito.” (Gênesis 6:5-7). Deus então fez cair sobre toda a terra um grande dilúvio, matando a tudo e a todos (incluindo os Nefilins), com a exceção de Noé, sua família e os animais que estavam na arca (Gênesis 6:11-22).
 Existiram mais gigantes depois do dilúvio? Gênesis 6:4 nos diz: "Havia naqueles dias gigantes na terra; e também depois...". Aparenta ser o caso que os demônios repetiram seu pecado depois do dilúvio também. No entanto, é provável que foi em uma escala muito menor do que antes do dilúvio. Quando os israelitas espionaram a terra de Canaã, eles disseram a Moisés: “Também vimos ali gigantes, filhos de Enaque, descendentes dos gigantes; e éramos aos nossos olhos como gafanhotos, e assim também éramos aos seus olhos.” No entanto, essa passagem não diz especificamente que eram os Nefilins de quem estavam falando, apenas que os espiões achavam que tinham visto Nefilins. É mais provável que os espiões testemunharam pessoas muito altas em Canaã e por engano acharam que eles eram Nefilins. Ou talvez seja possível que depois do dilúvio os demônios se relacionaram novamente com fêmeas humanas, produzindo mais nefilins. Qualquer que seja o caso, esses "gigantes" foram destruídos pelos israelitas durante a sua invasão de Canaã (Josué 11:21-22) e mais tarde na história (Deuteronômio 3:11; 1 Samuel capítulo 17).






Por que os demônios não produzem mais Nefilins nos dias de hoje? Parece que Deus deu um ponto final aos demônios tendo relações com os seres humanos ao colocar todos os demônios que cometeram tal ato no abismo. Judas versículo 6 diz: “E aos anjos que não guardaram o seu principado, mas deixaram a sua própria habitação, reservou na escuridão e em prisões eternas até ao juízo daquele grande dia”. É claro que nem todos os demônios estão "presos" hoje, então deve ter existido um grupo de demônios que cometeu um pecado mais grave além do pecado original. Tudo indica que os demônios que se relacionaram com as fêmeas humanas são aqueles que estão “em prisões eternas”. Isso iria prevenir que outros demônios tentassem repetir tal ato.





O DILÚVIO

Mas o que realmente ocasionou o Dilúvio? Foi o aparecimento de uma raça de seres chamados de Nephilim! 
Gênesis 6 indica que os “filhos de Deus” (B’nai Elohim) tomaram esposas entre as “filhas dos homens”, as quais deram à luz aos “Nephilim”. O que estava acontecendo? 
B’nai Elohim é um termo que se refere aos anjos. Ele ocorre quatro vezes no Velho Testamento onde foi traduzido como “Anjos do Senhor” na antiga tradução Septuaginta. A intrusão de certos anjos na família humana resultou em uma semente não natural denominada Nephilim, que deriva do Hebraico naphal (cair), ou Os Caídos. (A Septuaginta Grega traduz esse termo como “gigantes”, que, na verdade, quer dizer “nascidos na terra”. Isso é frequentemente confundido com a palavra portuguesa “gigantes” – o que eles não deixavam de ser, incidentalmente). 
“Os B’nai Eloim viram as filhas de Adão, que elas eram extensões apropriadas. E eles tomaram esposas para si de todas aquelas que escolheram... Os Nephilim estavam na terra naqueles dia, e mesmo depois disso, quando os B’nai Elohim vieram às filhas de Adão, e eles as engravidaram – eles eram Os Poderosos que existiam desde os tempos antigos, os homens de renome.” Gênesis 6 - Bíblia Interlinear Hebraica. 
A palavra traduzida como “gigantes”, na versão King James da Bíblia, é, em Hebraico, Nephilim, que significa “Aqueles que caíram, ou os caídos”. Judas, o irmão de Jesus, os descreve como “anjos que deixaram seu estado original no Céu”. Esses anjos caídos vieram à terra para um propósito sério. 
Os “caídos” procuraram se misturar com a linhagem de Adão por causa da promessa de enviar um redentor através de seus descendentes. O Hebraico diz que os Filhos de Deus viram que as mulheres eram um “extensão” adequada, pois eles buscavam extender a si mesmos do mundo espiritual para este mundo, bem como extender-se aos “filhos da promessa”, a linhagem de Adão. Satanás tentou impedir o nascimento, no futuro distante, do Messias. 
O acasalamento de seres humanos com anjos resultou em criaturas híbridas, espíritos maus com corpos humanos. Os híbridos humano-anjos começaram a corromper e destruir a raça humana, resultando no Dilúvio, “o fim de toda carne”, exceto Noé e sua família. 
A Bíblia usa outros nomes para descrever esses degradados anjos caídos e seus descendentes, além da palavra Nephilim. Eles são: 

. Rephaim – da raiz rapha = espíritos, sombras Gen. 14.5 
. Anakim – raça de gigantes Num. 13.33 – Descendentes dos Nephilim 
. Emim – os desertores arrogantes, terrores, raça de gigantes Gen. 14.5 
. Zuzim – os ímpios, coisas errantes Gen. 14.5 
. Zazummins – os conspiradores ímpios Deut. 2.20 
. Zophim – observadores, anjos que desceram Num. 23, diferente de ‘Observadores Sagrados’ alinhados a Deus 
. Sepherim – os muitos ... 
Por mais de mil anos os Nephilim corromperam a terra e oprimiram a humanidade. A Bíblia declara que os gigantes existiam antes do dilúvio, e mesmo depois daquele tempo, Gen. 6:4. Isso contradiz a tradição mas é historicamente sustentado por histórias em Êxodo, onde os Nephilim são encontrados em Canaã pelos Israelitas. O Livro Apócrifo de Enoque, primeiro século A.C., manuscrito extra-bíblico citado por Judas e João, detalha eventos dos anjos caídos. Ele descreve sua punição e até seus nomes. Alguns dos Nephilim pereceram, os seus corpos pelo menos, sob as águas do Dilúvio. Os líderes desse ato de rebelião foram acorrentados até o dia do Juízo Final em vários pontos da terra. Judas e João também relatam essa história. Jó 26.5 diz que “Os mortos tremem debaixo das águas”. Isto parece indicar que homens foram mortos sob as águas do Dilúvio. 
O texto original Hebraico relata algo muito mais misterioso. A tradução literal é “Os Rafa se contorcem debaixo da água”. A palavra Rafa só é encontrada nas escrituras identificando os “anjos caídos”, e nunca é usada para indicar os “mortos humanos” em lugar algum do Velho Testamento. A base histórica para a interpretação de Gen. 6 como uma história de anjos caídos é consistente. Philo, Josepho, Epiphanio, Hilário, são alguns dos muitos exemplos. 
O Livro de Jubileus destaca que Jared ou Yeh-red, um patriarca do Velho Testamento, era assim chamado porque em seus dias anjos desceram à terra – Yaw-rad “descer”. É interessante notar que “Jordânia” vem da mesma palavra raiz indicando “descer, ou cair”. – Yar-dane = “o lugar dos caídos”. A Jordânia, “o lugar dos caídos”, está localizada na antiga divisa de Israel. Israel é atualmente um dos principais locais de avistamento de ÓVNIS, e dos anjos caídos disfarçados de “extraterrestres”
O Livro de Enoque explica que os Filhos de Deus desceram primeiramente sobre o monte chamado Hermon que, em Hebraico, significa desolação, na terra da Jordânia, o lugar dos caídos. Desolação é exatamente o que Satanás e seus anjos desejavam causar à terra destruindo os descendentes de Adão – desolação tem sido o plano dos anjos rebeldes desde o início. 
Foi a infusão desses seres estranhos na classe humana que provocou o Dilúvio de Noé. A inundação foi precedida por quatro gerações de profetas/pregadores advertindo sobre o julgamento por vir: Enoque, Matusalém, Lameque e Noé. 
Parece que era parte do estratagema de Satanás corromper a linhagem de Adão para evitar o cumprimento da redenção Messiânica. Noé era aparentemente único no fato de que sua genealogia ainda não estava corrompida. 
Os estranhos eventos que levaram ao Dilúvio também são aludidos em antigas mitologias. As lendas dos “titãs” Gregos – parte terrestres, parte celestiais – englobam essas mesmas lembranças. (A palavra Grega titã está linguisticamente ligada a sheitan no Caldeu e a satan no Hebraico). Mas, de onde esses pecaminosos anjos “caídos” vieram? 

COMO SURGIRAM OS GIGANTES QUE A BÍBLIA RELATA. 

OS GIGANTES – Gênesis 6.4 

O fato de os gigantes ou seres humanos de tamanho anormal viveram na terra é uma das declarações verdadeiras das Escrituras. “Nefilin”, do hebraico, que vem de “Nefil”, significa “Gigante”,”Valentão”,”Tirano” (Gn.6.4 Nm.13.33). 
Eles eram de um tamanho físico anormal e os homens de Israel eram como gafanhotos, se comparados a eles (Nm. 13.33). A palavra “Gibbor”, em hebraico, é também traduzida “gigante”, que significa “homem valente”, “poderoso”, “gigante” ou “homem forte” (Nm. 13.33; Jô 16.14). Dizer que essas palavras originais se referem ao grau de impiedade em vez de tamanho físico é um equivoco. 
Os Anaquins eram um povo grande e alto (Dt.1.28;2.10-11,21;Js.11.21-22;14.12-15). 
Anaque era um gigante e se ele e todos os Anaquins eram tão grandes, podemos afirmar que os outros gigantes também o eram (Nm. 13.22,33). A Terra de Amon era uma terra de gigantes (Dt. 2.19-20). Os Emins eram também grandes, muitos e tão altos quanto os Anaquins (Dt. 2.10,11). Os Zanzumins eram chamados gigantes, um povo grande, muitos e tão grandes quantos os Anaquins. Eles também habitavam na terra de Amon (Dt. 2.21). Ogue, rei de Basã, é descrito como um gigante cuja cama era de ferro e media 4,5 metros de cumprimento e 2 metros de largura. Estas não são medidas de impiedade, mas a medida de uma cama feita de ferro (Dt. 3.11; Js. 12.4; 13.12). Basã é chamada à terra de gigantes (Dt. 3.13). 
Um vale de gigantes é mencionado em Josué 15.8; 18.16. Este é o mesmo vale de Refaim o nome de uma outra linhagem de raça de gigantes, tão freqüentemente mencionados nas Escrituras (Gn. 14.5; 15.20; II Sm. 5.18,22; 23.13; I Cron. 11.15; 14.9; Is. 17.5). Os Refains eram gigantes bem conhecidos, mas infelizmente, em vez de manter seus próprios nomes nas Escrituras, os tradutores traduziram-no para a palavra “mortos” (Jô. 26.5; Sl. 88.10; Pv.2.18; 9.18; 21.16; Is. 14.9; 26.19) e “falecidos” (Is. 26.14). A palavra deveria ser mantida com o próprio nome em todos estes textos, como o é nas outras dez passagens. 
Refaim é traduzido gigante (II Sm. 21.16,18, 20,22; I Cron. 20.4,6,8) e gigantes (Dt. 2.11,20; 3.11,13; Js.12.4; 13.12; 15,8; 18.16). A frase “remanescente de gigantes” em Dt. 3.11; Js. 12.4; 13.12, deveria ser traduzida “remanescente de Refains”, pois eles eram muitas nações de gigantes. Além dos Refains que enchiam a terra, tenteando contestar a ordem de Deus a “terra prometida”, havia também outras nações de gigantes, a saber: Ferezeu, Refains, Amorreus, Cananeus, Girgaseu, Jebuseu, Heveus, AnaquiQueneus, Quenezeu, Cadmoneu, Heteus, ns, Emins, Horeus, Aveus, Zanzumins, Caftorins e Nefilin. (Gn. 6.4; 14.5,6; 15,19-21; Ex.3.8,17; 23.23; Dt. 2.10-12,20-23;3.11-13;7.1;20.17; Js. 12.4-8; 13.3; 15.8; 17.15; 18.16). Estes eram remanescentes das outras raças de gigantes (Dt. 3.11; Js. 12.4; 13.12). 
Todas estas nações de gigantes vieram da união dos filhos de Deus (anjos caídos) com as filhas dos homens depois do dilúvio. Sendo de grande estatura, alguns deles com 6 dedos em cada mão e 6 dedos em cada pé, carregavam lanças que pesavam cerca de 3,5 Kg. (II Sm. 21.16-22; I Cron.20. 4-8). Golias, a quem Davi matou, possuía uma lança que pesava 7 quilos (I Sm. 17.7). Golias usava uma armadura que pesava aproximadamente 80 quilos e seu tamanho era de quase 3 metros de altura. 
É inteiramente possível que as pirâmides do Egito, as cidades de Basã e outros grandes monumentos permanecerão um grande mistério insolúvel, até que sejam aceitos como resultado do trabalho e tarefa dos filhos dos anjos caídos isto é, os gigantes. 
A revelação que temos acerca dos gigantes nas Escrituras nos dá um verdadeiro quadro do que a mitologia grega tenta em vão nos passar. A nós pertence à avaliação exata por causa da Divina inspiração. A mitologia é a excrescência das tradições, memórias e lendas que contam os atos sobrenaturais dos antepassados e das linhagens de seus gigantes (heróis) – a perversão e corrupção na transmissão aos atuais fatos concernentes a estes seres poderosos. O fato de estes gigantes terem parte de origem sobrenatural, tornou fácil para os homens considerá-los deuses. 

UM POVO SEM DIREITO DE RESSURREIÇÃO. 

O fato dos REFAINS não ressuscitarem em tempo algum, “Morrendo eles, não tornarão a viver, falecendo, não ressuscitarão; por isso os visitaste e destruíste , e apagaste toda a sua memória” (Is. 26.14) prova a realidade dos gigantes e que eles não eram homens comuns. Todo homem comum ressuscitará como diz em João 5.28-29: “Não vos maravilheis disto; porque vem a hora em que todos os que estão no sepulcro ouvirão a sua voz. E os que fizeram o bem sairão para a ressurreição da vida; e os que fizeram o mal para a ressurreição da condenação”; portanto,os gigantes devem seu uma classe diferente dos puros Adamitas. Isaias diz claramente que os MORTOS (em Hebraico, REFAIM) estão agora no inferno (Is. 14.9): “O inferno, desde o profundo, se turbou (movimentou, moveu-se) por ti, para te sair ao encontro na tua vinda; despertou por ti os mortos ( tradução original REFAIM) e todos os príncipes da Terra e fez levantar do seu trono a todos os reis das nações”. Isto significa: 
1) – Os que estão no Sheol se turbarão, isto é, se moverão para receber os que lá 
       chegarão; 
2) – Os mortos (Refaim- Gigantes) sairão ao encontro dos que ali chegarão; 
3) – Até os que foram príncipes, sairão ao encontro dos futuros hospedes eternos; 
4) – O Sheol levantará todos os reis das nações dos seus tronos e os receberão nas suas   
      Mortes; 
5) – Haverá conversa no Sheol (Isaías 14.10-11); 
6) – No Sheol, os mais poderosos da terra tornar-se-ão fraco e impotente (v. 10); 
7) – Pompa, orgulho e suas musicas mundanas não serão nada no Sheol (v. 11); 
8) – Os micróbios serão suas câmaras e os bichos os cobrirão. Os bichos no sentido figurativo se referem aqueles que estão no inferno e jamais morrerão, pois serão atormentados em suas sã consciência eternamente no Sheol. 
Salomão confirma a mesma coisa em Provérbios 2.18; 9.18; 21.16, onde a palavra MORTO é “REFAIM”.

SUAS ORIGENS 

O fato dos gigantes surgirem da união dos filhos de Deus e da filhas dos homens prova que seus pais não eram homens comuns da linhagem adâmica. Nenhuma monstruosidade podia ser produto da união de homens e mulheres comuns; não importava quão justo era o pai e quão ímpia era a mãe. 
Muitos homens salvos, que são filhos de Deus no sentido de adoção e justiça através de Cristo tem se casado com mulheres não convertidas e não tem produzido filhos tão grandes quantos os gigantes da Bíblia como resultados dessa união. Se, como alguns ensinam, os gigantes nasceram desse tipo de união antes e depois do dilúvio, então por que os casamentos de hoje não produzem gigantes? Por que isso aconteceu no passado e como não acontece hoje? Não há um caso sequer! 
A lei de Deus de reprodução desde o inicio tem sido TUDO DE ACORDO COM SUA ESPECIE. Não era possível então que os gigantes fossem produzidos por homens e mulheres comuns (Gn. 1.11-12,21,24,25; 8.19). Isto teve o elemento sobrenatural, propósito e poder de Satanás e seus anjos para fazer uma linhagem de tamanho extra da espécie humana. Depois da variação da espécie, no que diz respeito ao tamanho, apenas quando os gigantes viessem a existir, eles produziriam outros da mesma semelhança em vez do tamanho do homem comum (Nm. 13.33; II Sm. 21.16,18, 20,22; I Cr. 20.4-8). 

É ANTÍ-BÍBLICO E ANTI-HISTÓRICO 

Não é somente antibiblico, mas também anti-historico ensinar que os gigantes vieram da união de homens e mulheres comuns. A grande pergunta tem sido: Onde os gigantes começaram a existir? Gênesis 6.4 diz claramente: Surgiram da união dos filhos de Deus e das filhas dos homens. 
Concluímos então quatro fatos: 
1-Que as mulheres ímpias tinham o poder de produzir tais monstros, se casada com homens justos; 
2-Que homens justos tinham o poder de produzir gigantes, quando casados com mulheres ímpias; 
3-Que a mistura do justo e do ímpio produzisse gigantes; 
4-Que a extrema impiedade de qualquer dos pais produzissem uma linhagem de gigantes. 
Todavia, estas quatro conclusões estão erradas, pois não temos um registro se quer em milhares de casamento de convertidos com não convertidos, ter nascido algum gigante semelhante ao que a Bíblia fala. 
Também, a teoria de que os gigantes vieram do casamento dos filhos de Sete com as filhas de Caim é desaprovado. 

QUEM ERAM OS FILHOS DE DEUS? GÊNESIS 6.4 

Os filhos de Deus não poderiam ter sido os filhos de Sete ou outros homens justos, pelas sete (7) seguintes razões: 
Eles não eram homens justos o suficiente para serem salvos durante a Era Anti-diluviana, exceto Abel (Gn. 4.4; Hb. 11.4), Enoque (Gn. 5.21-24; Hb. 11.5), Noé (Gn. 6.8; 7.1; Hb. 11.7), no que diz respeito ao que as Escrituras diz deles. Concluímos, então, que estes três homens eram filhos de Deus que casaram com as filhas de Caim e produziram a raça de gigantes na Terra, naqueles dias antes do dilúvio (Gn. 6.4)?   Não temos nenhum registro de casamento ou linhagem de Abel antes de ser assassinado. Concernente a Enoque devemos crer que Matusalém e seus outros filhos eram gigantes? 
Ou que os três filhos de Noé, Sem, Cão e Jafé eram gigantes?  Se crermos que sim, que textos devem nos basear? 
Se fosse verdade, só teríamos gigantes depois do dilúvio. Isto traria mais um caso insolúvel: como homens voltaram a ter o tamanho normal outra vez? 

O TEMPO 

do casamento dos filhos de Deus desaprova a teoria de que eles eram filhos de Sete. Os casamentos dos filhos de Sete não poderiam ter acontecido durante os primeiros 325 anos, pois ele tinha um só filho com idade adequada para o casamento, há este tempo (Gn. 5. 1-8), e ele (Enos) não era um homem justo. Dizer que não havia casamentos antes de Enos, contradiz Gênesis 6.1-2, que diz que os filhos de Deus casaram com as filhas dos homens quando tais filhas começaram a nascer. 
Concluímos então que as mulheres não existiam nos 325 primeiros anos? 
Se isso é verdade, então onde Caim, Sete e os outros obtiveram suas esposas? 
Alem do mais, tais casamentos entre os filhos justos e as filhas ímpias não poderiam ter acontecido nos últimos 600 anos antes do dilúvio, porque Noé era o único filho de Deus por justiça há este tempo (Gn. 6.8-9; 7.1; II Pe. 2.4). 
Seus filhos foram preservados dentro da Arca por simplesmente serem da raça pura de Adão e não por causa da justiça pessoal deles. 
Em Gênesis 6.4 diz que havia gigantes na Terra NAQUELES DIAS (antes do dilúvio), e também 
DEPOIS DAQUELES ( depois daqueles dias que foram antes do dilúvio) como resultado dos filhos de Deus terem se casado com as filhas dos homens. Se, como é ensinado, os filhos de Deus eram os filhos de Sete, podemos atribuir para eles a expressão DEPOIS DAQUELES (depois do dilúvio), pois a linhagem de Sete deu prosseguimento através de Noé. 
Mas no que diz respeito às filhas de Caim (suponhamos que elas são as filhas dos homens) a história é diferente. A linhagem de Caim pereceu no dilúvio, ambos os homens e mulheres, o que significa que não havia filha de Caim depois do dilúvio, para os filhos de Deus se casar; 
A Bíblia não dá nenhuma razão para acreditarmos que a frase “os filhos de Deus viram que as filhas dos homens eram formosas”, seria limitada para as filhas de Caim. Outras famílias tinham também filhas, milhares de família fizeram muitas linhagens antes e depois do dilúvio. Gênesis 6.1-2, não diz que somente as filhas de Caim eram belas. 
A própria expressão “FILHOS DE DEUS’’ e “FILHOS DOS HOMENS’’, indica dois diferentes tipos: um produto de Deus, o outro o produto do homem. Sete não era Deus, então porque chamar os FILHOS DE DEUS, filhos de Sete? 
É uma questão de registro que os filhos de Sete eram tão ímpios quanto os filhos de Caim. De fato, o primogênito de Sete começou a idolatria (Gn. 4.26); 
Com exceção de Noé e sua família, toda a carne havia se corrompido sobre a Terra, antes do dilúvio (Gn. 6.12), o que indica que toda a raça humana, menos a família de Noé, tornou-se a mistura entre os anjos caídos e os filhos dos homens, ou gigantes. Somente Noé conservou o puro pedigree de Adão e esta foi a razão pela qual eles foram preservados na Arca. Eles eram os únicos capazes de dar a raça humana um novo e puro começo depois do dilúvio. É dito de Noé que ele era um homem justo e PERFEITO em sua geração (Gn.6.8). 
A palavra para PERFEITO em hebraico é “Tamim”, que traduzido é “sem defeito’’. É a palavra técnica para a “perfeição física”, e não “perfeição moral”. Conseqüentemente, a palavra é usada para o sacrifício de animais do Velho Testamento que significa que deveria ser o animal para o sacrifício, “de linhagem pura’’ e “sem defeito” (Tamim). (Ex. 12.5; 29.1; Lev. 1.3; 3.1-6; 4.3,23-32; 5.15-18; 6.6; 9.2-3; Ez. 43.22-25; 45.18-23), “sem mancha” (Nm. 19.2; 28.3-11;29.17,26), “reto e puro” (Sl. 119.1). O uso desta palavra, em conexão com Noé e sua família, significa que eles eram os únicos descendentes puros de Adão que foram preservados (e não importava suas posições de santidade). Eles foram todos preservados na Arca por uma simples razão: A linhagem pura. 

PROVAS QUE OS FILHOS DE DEUS ERAM ANJOS 

Desde que não há possibilidades de que os filhos de Deus que casaram com as mulheres, e resultaram no nascimento de gigantes, não foram os filhos de Sete ou homens justos, então os filhos de Gênesis 6 são anjos caídos. Não há dúvida a respeito devido às muitas referencias que veremos a seguir: 
1-A expressão “FILHOS DE DEUS” é encontrada apenas 5 (cinco) vezes no Velho Testamento e todas as vezes que é usada, refere-se a ANJOS (Gn. 6.1-4; Jô 1.6; 2.1; 38.7). 
Estes textos de Jô são indiscutivelmente, referencias a anjos. Daniel 3.25,28 chama um anjo de “o filho de Deus”. Não é possível, então, que os filhos de Deus em Gênesis 6 não fossem anjos?   
2- Alguns tradutores da Septuaginta, Moffat, e outros traduziram: “anjos de Deus”, em Gênesis 61-4, que fortalece a idéia desta exposição; 
3-O historiador Josefo diz: “muitos anjos de Deus acompanhados de mulheres, geraram filhos injustos, e a despeito de tudo que era bom, por conta de suas forcas.. estes homens fizeram o que se assemelha aos atos daqueles dos quais os gregos chamaram de gigantes”(Ant. Livro I ,Cap.3) Outra vez ele diz: “Havia até então preservado a raça dos gigantes, que tinham corpos tão grandes e seus semblantes tão inteiramente diferentes dos outros homens, e que surpreendia a que os via e era terrível o que se ouviam a respeito deles. 
“Os ossos destes homens continuam sendo mostrados até os dias de hoje” (Ant. Livro V, Cap. 2); 
4-Os ancestrais Nicenos também se referem aos anjos que “se envolveram em impuras paixões com virgens, e foram subjugados pela carne... pelo amor destas virgens, portanto geraram aquilo que chamamos de gigantes” (Vol. 2 pg.142; Vol.6 pg. 85, 273). O mártir Justino, 110-165 a.D., diz “Mas os anjos transgressores... foram cativos pelo amor das mulheres, e geraram filhos” (Vol. 2, pg. 190). Metodios, 260-312 a.D., diz “o diabo foi insolente... e também aqueles (anjos) que se enamoraram do charme de carne, e tiveram intercurso ilícito com as filhas dos homens” (Vol. 6, pg.370); 
5-Ambos os Testamentos da Bíblia, ensinam que alguns anjos cometeram pecados de sexo e viveram contrários a suas naturezas. Gênesis 6. 1-4, relata a historia do tal pecado. Em II Pedro 2.4,5, temos a declaração de que os anjos pecaram antes do dilúvio e por causa dos seus pecados foram lançados no inferno, aguardando o dia do julgamento. Esta passagem não revela que o pecado foi a FORONICAÇÃ, mas em Judas 6 e 7 diz: “Os anjos que não guardaram o seu principado, mas deixaram a sua própria habitação, reservou na escuridão e em prisões eternas até ao juízo daquele grande Dia. Assim como Sodoma e Gomorra, e as cidades circunvizinhas que, havendo-se corrompido como aqueles (como os anjos) e ido após outra carne, foram postas, por exemplo, sofrendo a pena do fogo eterno”. Se Sodoma, Gomorra e outras cidades viveram contrárias á natureza e cometeram fornicação como os anjos fizeram, então é claro que o pecado dos anjos foi a fornicação. De acordo com Gênesis 6, este pecado foi cometido com as filhas dos homens. 
6- O único versículo que fala que os anjos não têm necessidade de sexo é Mateus 22.30. Todavia, o texto não ensina que eles não têm sexo e sim que eles não precisam de sexo. O texto diz: “Na ressurreição nem casam, nem são dados em casamentos, mas serão como os anjos nos céus”. 
O propósito deste texto é para mostrar ao homem e a mulher, que terão parte na ressurreição, não casam, e nem precisa de sexo, para manter suas espécies em existência. No estado ressureto, eles viverão para sempre, mas não como seres sem sexo. 
A Bíblia ensina que cada pessoa continuará com as características com que nasceu por toda a eternidade. O apostolo Paulo diz que cada um terá seu próprio corpo na ressurreição (I Co. 15.35-38). Se uma pessoa é macho, ele continuará com todas as características de macho; se é fêmea, terá todas as características de fêmea, ainda que os corpos serão transformados da mortalidade para a imortalidade, o qual será chamado de “corpo espiritual” (I Co.15. 35-54). Não há nada na ressurreição que recriará o homem e a mulher. Cristo permaneceu homem depois da ressurreição e assim também todos os machos.   
Através das Escrituras os anjos são identificados a semelhança de homens. Não há nenhum registro da aparição de um anjo fêmea. É lógico então dizer que as fêmeas foram criadas, exclusivamente, para as raças humanas, afim de que se mantivessem e propagassem a sua existência; e que todos os anjos foram criados machos, um numero estabelecido de sua espécie, sem a necessidade do processo de sua reprodução. Os anjos foram criados já inumeráveis (Hb. 12.22), considerando que a multidão humana começou com um casal. 
O fato de alguns anjos não “guardarem seu primeiro estado, mas deixaram sua própria habitação”, como registra Judas 6, para cometerem pecado, faz de certo modo compreensível como um pecado de sexo poderia ser cometido por eles. A palavra grega para “habitação” é “oiketerion”. É usada apenas duas vezes nas Escrituras e diz a respeito aos corpos dos homens sendo “mudado” para corpos espirituais (II Co. 5.2), e os anjos tendo uma mudança física, ou pelo menos um rebaixamento deles mesmos de alguma maneira (Judas 6-7). Estes textos do Novo Testamento ajudam a explicar a história do Velho Testamento a respeito dos anjos terem deixado suas naturezas e produzido gigante. 

PARA QUEM CRISTO FOI PREGAR NAS PRISOES. 

Em I Pedro 3. 19.20, vemos que Cristo “foi e pregou aos espíritos em prisão, os quais em outro tempo foram rebeldes, quanto a longanimidade de Deus, nos dias de Noé, enquanto se preparava a Arca”. Quem eram estes espíritos em prisão se não os anjos confinados, que uma vez viveram contrários as suas naturezas, em pecado com as filhas dos homens? (Gn. 6. 1-4). Em Salmos 104.4 e Hebreus 1. 13-14, diz: “...que faz dos seus anjos espíritos”. Se anjos são espíritos, podemos então concluir que os espíritos a quem Cristo foi pregar em prisão, eram anjos de Gênesis 6, e principalmente que eles “...eram desobedientes...nos dias de Noé, enquanto a Arca estava sendo preparada”. O propósito do dilúvio nos dias de Noé foi para destruir as linhagens dos gigantes, filhos dos anjos conhecidos como filhos de Deus. 

O PROPÓSITO DE SATANÁS EM GERAR GIGANTES. 

Era o propósito de Satanás e seus anjos caídos corromperem a raça humana e por um fim na raça pura Adâmica, pela qual a semente da mulher deveria vir. Isto poderia inverter suas sentenças da maldição e tornar possível a Satanás e seu reino terem o controle da Terra indefinidamente. Foi dito a Adão e Eva que a semente da mulher derrotaria Satanás e restauraria o domínio do homem (Gn. 3.15). A única maneira então, para Satanás evitar esta derrota profética, era corromper a linhagem pura de Adão para que a entrada da semente ao mundo se tornasse impossível. Isso, ele tentou ao enviar alguns anjos caídos para terem relacionamento com as filhas dos homens, como está registrado em Gênesis 6. 1- 4, para gerar as nações de gigantes através deles. 
Foram dois acontecimentos de relacionamentos de anjos caídos com as mulheres como é registrado em Gênesis 6.  Havia gigantes NAQUELES DIAS (antes do dilúvio) e DEPOIS DAQUELES DIAS (depois do dilúvio). “Naqueles dias” com as filhas de Caim, e “depois daqueles dias”, com as filhas de Sete e de outros. 
Satanás quase teve sucesso em seu intento, durante a primeira tentativa, pois, “toda carne se corrompeu em seu caminho sobre a Terra”. 
O objetivo do dilúvio foi para exterminar com toda esta corrupção satânica, destruindo todos os gigantes e preservando a raça pura da linhagem de Adão para garantir a semente da mulher ao plano de Deus. 
Sendo derrotado no dilúvio, Satanás não parou no seu intento de prevenir a não vinda do Redentor que causaria sua derrota final. Era agora, o momento para Satanás tirar vantagem da informação de que Deus não mais destruiria a humanidade com um dilúvio. Satanás então aproveitando esta possibilidade de não ser mais detido no seu projeto, envia seu segundo grupo de anjos caídos para ter relação com as mulheres. Uma vez mais, os resultados desta união geram gigantes que ocupam a “terra prometida”, donde deveria nascer a semente, prometida a Abraão. Limitado ELE à sua promessa de não mais destruir a terra com dilúvio, Deus enfrentava agora o problema para eliminar os gigantes de uma outra maneira. Isto explica porque Deus mandou Israel matar cada um, homem, mulher ou criança. Isto responde aos céticos que questionam porque Deus destruiu as crianças no dilúvio e nas guerras de Israel. Deus tinha que exterminar por completo toda a raça proveniente desta corrupção, a fim de cumprir seu programa em trazer ao mundo o Seu Redentor. O Redentor veio! Satanás está agora reservando suas forças para a sua ultima tentativa no 2º Advento de Cristo, e mais uma vez será frustrado no seu intento, louvado seja Deus!! 
Portanto, as Escrituras deixam claro que os gigantes foram resultados de uma união sobrenatural, que aconteceu antes e depois do dilúvio. 
Do livro os três planetas terra de Deus de J. Torres. 
        
OS MISTERIOSOS GIGANTES BÍBLICOS 

A Bíblia se refere a uma estranha raça de gigantes, surgida misteriosamente antes do dilúvio e estranhamente aparecendo depois do dilúvio, não podendo, é claro, ser descendência de Noé, o qual era "justo em suas gerações", ou, traduzindo melhor, "puro na sua semente". 
Se não faziam parte da geração de Noé, Sem, Cão e Jafé, de onde teriam surgido? 
O capítulo 6 de Gênesis fala sobre "filhos de Deus" que se juntaram com as filhas dos homens, gerando filhos nelas, porque as acharam formosas. 
A única versão que traduziu a frase "naqueles dias havia gigantes na terra", ou melhor, "naqueles dias os gigantes estavam na terra", foi a Tradução Brasileira, que, por não querer traduzir uma expressão difícil de traduzir, preferiu colocar assim: "Naqueles dias os NEFILINS estavam na terra." 
O significado mais aproximado do original é CAÍDOS. O que isto nos leva a entender? Que os NEFILINS eram anjos caídos que tomaram corpos físicos, humanos, e, ao terem relações sexuais com as mulheres terrestres, geram nelas seres estranhos, híbridos, todos do sexo masculino e gigantescos como Golias de Gate, seus irmãos gigantes, Seom, rei dos amorreus, Ogue, rei da Basã e os filhos de Anaque, ou Enaque. 
Eles tomaram várias designações tais como, "EMINS", "ZANZUMINS", "ANAQUINS", "REFAINS", etc. 
Todas estas expressões tem o significado de GRANDES, FORTES, PODEROSOS, GIGANTES. 
Quando os espias foram enviados para espiar a terra de Canaã, trouxeram um relatório pavoroso: "Vimos ali gigantes, filhos de Anaque".  (Alguns tradutores acrescentaram, por conta própria, a expressão "descendentes"). 
Em Deuteronômio 2.10,11, lemos: "Os emeus dantes habitavam nela: um povo grande e numeroso, e alto como os gigantes; também estes foram contados por gigantes como os enaquins." 
Não é estranho pensar em anjos tomando forma humana, uma vez que no episódio da visita do Senhor a Abraão, dois anjos o acompanharam e comeram coalhada e vitela. 
Existem muitas narrativas secretas e misteriosas dando conta de seres não terrestres chamados de íncubos e súcubos, demônios vindo à terra para terem relações sexuais com seres humanos 
Nas lendas árabes existem referências aos "djins". Em outras culturas, como a greco-romana, a mesopotâmica, a etrusca, a assíria, etc., encontramos relatos sobre ogros, semideuses, gigantes e ciclopes, todos eles dominando as pessoas e voltados para a sensualidade. 
Por que existe tal consenso? Porque a maior parte das fábulas e lendas derivam de alguma tremenda realidade primeva. 
Os cultores do chamado "realismo fantástico" entenderam que estas visitas não terrestres referem-se a ET's, habitantes de outros planetas, visitando a terra em suas naves espaciais. 
Por que os habitantes de Sodoma e Gomorra, ao verem os anjos de Deus, em forma humana, entrando na casa de Ló, ajuntaram-se diante da casa, querendo, a todo custo, manter relações sexuais com eles? Sem dúvida já estavam acostumados a tal prática com seres sobrenaturais 
A epístola de Judas refere-se cristalinamente a este fato, relacionando-o com a prática espúria. Vamos ler o texto com ênfases: 
"E AOS ANJOS que não guardaram o seu principado, mas deixaram A SUA PRÓPRIA HABITAÇÃO, reservou na escuridão, e em prisões eternas até ao juízo daquele grande dia; assim COMO SODOMA E GOMORRA, e as cidades circunvizinhas que, havendo-se corrompido, COMO AQUELES  (Aqueles quem? Os anjos caídos, é claro!) e ido após OUTRA CARNE  (Que outra carne? Uma carne não humana.), foram postas como exemplos, sofrendo a pena do fogo eterno."  (Judas 6, 7.) 
Na epístola de Pedro, a mesma alusão a anjos e a Sodoma e Gomorra dão conta de que tudo se combina, se coaduna e concorda: 
"Porque Deus não perdoou aos anjos que pecaram, mas, havendo-os lançado no inferno, os entregou às cadeias da escuridão, ficando reservados para o juízo; e não perdoou ao mundo antigo, mas guardou a Noé, pregoeiro da justiça, com mais sete pessoas, ao trazer o dilúvio sobre o mundo dos ímpios; e condenou à subversão as cidades do Sodoma e Gomorra, reduzindo-as a cinza e pondo-as para exemplo aos que vivessem impiamente." 
Ao lermos Deuteronômio 3.11 e transformando o côvado em centímetros, concluímos que a cama de Ogue tinha quatro metros e meio de comprimento, por dois metros de largura! 
Os refains passaram a dominar uma região fértil que ficou conhecida como "O Vale dos Refains", conforme II Samuel 5.18. 
Vamos ler um relato que fala claramente sobre os gigantes. Ele se encontra em I Crônicas 20.4-8. Neste relato vamos substituir a expressão Rafa, que foi colocada como um nome próprio pelos tradutores, mas não tem nada a ver com uma pessoa humana normal e que foi colocada na RC, como nota de pé de página as expressões "do gigante", "o gigante" e "ao gigante". Vamos pois substituir a expressão Rafa por sua tradução normal, que seria ANJO CAÍDO: 
"E depois disto aconteceu que, levantando-se guerra em Gazer com os filisteus, então Sibecai, o husatita feriu a Sipai dos filhos do ANJO CAÍDO; e ficaram abatidos.E tornou a haver guerra com os filisteus: e Elanã, filho de Jair, feriu a Lami, irmão de Golias, o geteu, cuja haste da lança era como órgão de tecelão. E tornou a haver guerra em Gate; e havia ali um homem de grande estatura e tinha vinte e quatro dedos, seis em cada mão, e seis em cada pé, e também era da raça do ANJO CAÍDO. E injuriou a Israel: porém Jônatas, filho de Siméia, irmão de Davi, o feriu. Estes nasceram do ANJO CAÍDO em Gate: e caíram pela mão de Davi e pela mão dos seus servos". 
Os gigantes não ressuscitarão. Por não fazerem parte da criação original de Deus, esses gigantes não ressuscitarão! Alguns textos bíblicos ficam muito esquisitos na tradução, porque os tradutores têm medo de traduzirem ao pé da letra algumas expressões. Assim sendo, mudam, modificam, acrescentam, retiram, interpretam, inventam, deturpam e violentam. 
É o caso de Isaias 26.14 na tradução Revista e Atualizada da Bíblia: 
"Mortos não tornarão a viver, sombras não ressuscitam; por isso os castigaste, e destruíste, e lhes fizeste perecer toda memória." 
Que tradução mais absurda! É claro, óbvio, ululantemente lógico, que sombras não ressuscitam, porque sombras nem morrem! 
Senhores tradutores, por que não deixam que os leitores da Bíblia vejam a verdade, mesmo que esta verdade seja algo extraordinário, estranho, diferente e fora dos padrões determinados pelas organizações religiosas? 
A tradução ao pé da letra é: "Ao morrerem os refains, não tornarão a viver, não ressuscitarão". 
A expressão "sombras", no original é "refains", ou seja a designação com que os gigantes ficaram, de maneira generalizada, sendo conhecidos. 
Veja o contraste com o versículo 19  ("Os vossos mortos e também o meu cadáver VIVERÃO e RESSUSCITARÃO"). 
Em Lamentações 3.6, lemos: 
"Fez-me habitar em lugares tenebrosos, como os que estão MORTOS PARA SEMPRE." 
Em tudo isto observamos que a Bíblia não é um livro para ser lido de qualquer maneira, mas é para ser lido com muito cuidado e reverência, observando tudo o que Deus transmitiu para nós, não usando uma falsa humildade para dizer que não quer conhecer as coisas mais profundas de Deus. 
O Dr. Paulo de Aragão Lins, ThD, PhD, DD é ministro evangélico, missionário, escritor, poeta, jornalista, dramaturgo, tradutor e professor. É Bacharel em Teologia, Mestre em Teologia, Doutor em Teologia,Doutor em Filosofia da Religião, Psicanalista e Psicopedagogo. É Doutor em Divindade, Doutor “Honoris Causa”, comendador e cavaleiro, títulos concedidos por algumas importantes entidades teológicas, e filosóficas e por várias sociedades heráldicas e condecorativas.









espero que tenham gostado do estudo que preparei pra vocês, em breve postarei mais, um grande abraço e fiquem na paz de  cristo! abaixo segue um trecho da bíblia para vocês meditarem;


Exortação à obediência

12-Agora, pois, ó Israel, que é que o SENHOR teu Deus pede de ti, senão que temas o SENHOR teu Deus, que andes em todos os seus caminhos, e o ames, e sirvas ao SENHOR teu Deus com todo o teu coração e com toda a tua alma,
13-Que guardes os mandamentos do SENHOR, e os seus estatutos, que hoje te ordeno, para o teu bem?
14- Eis que os céus e os céus dos céus são do SENHOR teu Deus, a terra e tudo o que nela há.
15-Tão-somente o SENHOR se agradou de teus pais para os amar; e a vós, descendência deles, escolheu, depois deles, de todos os povos como neste dia se vê.
16-Circuncidai, pois, o prepúcio do vosso coração, e não mais endureçais a vossa cerviz.

DEUTERONÔMIO cap10:10-16