quinta-feira, 19 de dezembro de 2013

A desobediência de Saul

Saul acumulou desobediência sobre desobediência, no relacionamento com o Senhor. Como resultado, o Senhor o puniu, retirando dele o apoio divino. O profeta Samuel deixou bem clara a coerência da postura divina: “O glorioso Deus de Israel não mente, nem muda de ideia. Ele não é um ser humano e, por isso, não se arrepende” (I Samuel 15:29).

A explicação de Samuel deve ser aceita como definitiva. Nenhum líder bíblico ostenta uma biografia tão longa e tão profunda de conhecimento de Deus e de obediência ao Senhor. Ao conscientizar o rei Saul da sua crescente atitude de desrespeito à orientação divina, Samuel não atribui a Deus a decadência do primeiro rei do povo hebreu. Ao afirmar que o Senhor “não se arrepende”, o profeta enfatiza um princípio bíblico: “Não se enganem: ninguém zomba de Deus. O que uma pessoa plantar, é isso mesmo que colherá” (Gálatas 6:7).

Os textos bíblicos foram escritos para ajudar os leitores humanos a conhecer ao Senhor. Não será de estranhar, portanto, encontrarmos na Bíblia expressões como “as mãos do Senhor”, “o coração do Senhor”, “a ira do Senhor” – são termos humanos, tentando nos dizer que o Senhor ajuda, que sente, que desaprova. Reduzir Deus às características humanas é uma postura que contraria a transcendência e a infinitude do Senhor. Deus não se arrepende.